Menu

Cirurgia robótica

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

Cirurgia robótica

A pesquisa em medicina é uma área em intenso desenvolvimento. Constantemente são publicados estudos com achados, descobertas e propostas que se tornam fundamentais para a prática clínica, inclusive na ginecologia.

Com esses avanços, os métodos diagnósticos e de tratamento também são aprimorados, como a cirurgia robótica, realizada com a assistência de um robô, que anseia o aumento das taxas de sucesso dos procedimentos e redução das complicações, uma vez que, teoricamente, pela visão tridimensional e pela adequada ergonomia do cirurgião, possibilita uma intervenção com mais precisão. Esse tipo de cirurgia, na área da ginecologia, começou a ser feito em 2005. Trata-se de uma técnica recente.

Grande parte das doenças ginecológicas é tratada com procedimentos cirúrgicos, como a videolaparoscopia, método minimamente invasivo com amplas indicações que pode ser utilizado em muitas especialidades médicas.

A cirurgia robótica é um método utilizado para a realização desses procedimentos cirúrgicos, teoricamente, aumentando a precisão e diminuindo o risco de complicações.

Indicações

A cirurgia robótica é um novo método de realização de cirurgias minimamente invasivas, portanto pode ser empregada para tratar doenças e outras condições que são tratadas com a videolaparoscopia, por exemplo.

Doenças

A técnica permite o tratamento de doenças em diferentes níveis de complexidade:

Outras condições

A cirurgia robótica também auxilia nos seguintes procedimentos:

Vantagens da cirurgia robótica

As cirurgias convencionais por vídeo, como a videolaparoscopia, projetam imagens bidimensionais e exigem grande experiência do cirurgião, principalmente em procedimentos mais complexos. O profissional deve ter precisão nos movimentos e nos processos de dissecção, secção e sutura.

A cirurgia robótica torna o procedimento mais fácil, pois são os braços do robô, sob o comando do cirurgião, que realizam o procedimento. Também produz imagens tridimensionais das estruturas e amplia a visualização de campo.

A ergonomia é outro aspecto importante desse tipo de cirurgia. O médico fica sentado durante o procedimento, o que evita esforço físico excessivo.

Dessa forma, podemos dizer que a cirurgia robótica facilita procedimentos que já são realizados por outras vias minimamente invasivas, reduzindo os riscos de complicações durante e após a cirurgia.

As vantagens da cirurgia robótica se estendem ao pós-operatório, promovendo uma rápida recuperação, com menos dor e menor tempo de internação hospitalar.

Ademais, a tecnologia envolvida no desenvolvimento do robô permite controles de segurança apurados.

Como é feito o procedimento

O robô é um equipamento constituído de três partes: a central de comando, operada pelo cirurgião responsável pelo procedimento em posição sentada, os braços, controlados de modo remoto, e a torre. O profissional deve ter experiência com cirurgias minimamente invasivas e ser especializado em cirurgia robótica, pois trata-se de uma técnica de alta complexidade.

A cirurgia robótica deve ser realizada por pelo menos dois cirurgiões experientes, mas pode haver mais, de acordo com a complexidade da intervenção. Um deles controla os braços do robô para a manipulação dos instrumentos utilizados na cirurgia e o outro auxilia no campo cirúrgico com o que for necessário.

Da mesma forma que em outras cirurgias, a robótica também requer um anestesista e outros profissionais para auxiliar no procedimento.

A intervenção em si é semelhante à realizada por videolaparoscopia, entretanto com a possibilidade de uma recuperação mais rápida. O tempo de cirurgia também depende do tipo de intervenção que será feita. Trata-se de uma nova opção de técnica cirúrgica, com benefícios teóricos claros, cujo papel ainda precisa ser definido em relação às vantagens das outras vias.

Compartilhar

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Pólipos endometriais: conheça os sintomas
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui