Menu

Ressonância magnética

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

Ressonância magnética

A ressonância magnética (RM) é um dos exames de imagem mais precisos e solicitados atualmente. Ele pode ser indicado para a investigação de diversas patologias e outras inúmeras condições que afetam o homem e a mulher.

A RM é utilizada para a obtenção de imagens anatômicas e do aspecto fisiológico do corpo humano. O equipamento de RM utiliza campos magnéticos para produzir imagens dos órgãos. Assim sendo, a RM não utiliza raios-x (radiação ionizante), podendo ser realizada por gestantes, embora deva ser evitada no primeiro trimestre de gestação.

A RM produz imagens claras da região investigada, oferecendo alto nível de precisão diagnóstica. O equipamento possui um ímã capaz de interagir com o corpo humano por campos magnéticos e ondas de rádio, gerando as imagens.

Podem ser solicitados diferentes tipos de RM. Na área da ginecologia, os mais solicitados são a RM pélvica e abdômen total, que identifica tumores ou outras alterações em diversos órgãos, como útero, tubas uterinas e ovários, a RM de mama, que eventualmente complementa a mamografia no diagnóstico e no planejamento do tratamento do câncer de mama e a RM de sela túrcica para identificação de tumores hipofisários.

Trata-se de um exame complexo e não invasivo que não exige cuidados especiais pós-exame.

Indicações

As indicações da RM são amplas. Ela é utilizada em praticamente todas as áreas da medicina. Pode ser solicitada quando da suspeita de diversas anormalidades tanto para o homem como para a mulher.

Na ginecologia, as indicações envolvem a pesquisa de alterações do sistema reprodutor feminino e/ou estruturas correlatas:

Na prática clínica do ginecologista, a anamnese e a descrição dos sintomas pela paciente são fundamentais para a indicação dos exames de investigação, inclusive a RM.

Como é realizado o exame e preparação

A preparação do exame depende da suspeita diagnóstica e da região a ser avaliada. No entanto, a paciente precisa se preparar para entrar na máquina em forma de tubo. Em virtude da utilização de campos eletromagnéticos, a paciente não pode ter no corpo nenhum objeto de metal. Pede-se às pacientes que retirem óculos, relógios, grampos de cabelo, anéis, colares, entre outros itens, principalmente de metal, que possam interferir no exame. Pacientes que utilizam aparelhos auditivos também devem retirá-los.

Cuidados especiais devem ser tomados para a realização do exame por pacientes que tenham implantes auditivos, oculares ou marca-passo. Nem sempre é possível realizar a RM nessas pacientes.

Algumas pessoas têm receio do exame, em virtude da sensação de claustrofobia, portanto ele pode ser feito com sedação, dependendo do laboratório.

O equipamento tem o formato de um grande tubo oco, um cilindro na posição horizontal, com as duas extremidades abertas. A paciente é colocada na maca móvel que fica fora do equipamento, e o supervisor do exame aciona um dispositivo para que a maca se desloque para dentro do tubo.

A paciente recebe a instrução de que pode falar com o supervisor por um microfone, caso sinta desconforto. A pessoa não pode se mexer durante o procedimento, pois pode haver alteração no resultado.

Depois que a paciente está dentro da máquina, o exame é iniciado. O equipamento gera um campo magnético intenso ao redor da paciente e começa a emitir ondas de rádio. A interação das ondas com a atividade celular gera as imagens, que são monitoradas pelo supervisor do exame.

Em alguns casos, utiliza-se contraste, que aumenta a sensibilidade do exame a determinados detalhes. O exame dura de 15 minutos a 1 hora, dependendo da complexidade e das dimensões da área que deve ser avaliada.

O exame é indolor e a mulher pode retomar suas atividades imediatamente após o término do procedimento. Se tiver sido utilizado o contraste, recomenda-se um aumento da ingestão de líquidos para que o organismo possa eliminar a substância mais rapidamente. Em caso de sedação, os responsáveis pelo exame fazem as devidas recomendações, sendo necessária a presença de um acompanhante.

Compartilhar

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Pólipos endometriais: conheça os sintomas
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui