Menu

Reversão de laqueadura

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

Reversão de laqueadura

A laqueadura tubária é um método contraceptivo de alta eficiência. A taxa de sucesso é de praticamente 100%. São poucas as mulheres que se submetem à laqueadura e têm filhos naturalmente depois. Estima-se que cerca de 150 milhões de mulheres em idade fértil no mundo já se submeteram à laqueadura, sendo o Brasil um dos países que mais realiza o procedimento.

Muitas mulheres que optaram pela laqueadura (se quiser saber mais sobre laqueadura, leia o texto que elaboramos especificamente sobre o assunto) como método contraceptivo, principalmente as mais jovens, entre 20 e 30 anos, se arrependem e buscam a reversão, mas nem sempre esse procedimento pode ser indicado.

Os motivos mais comuns de arrependimento são:

Assim sendo, é fundamental que a mulher ou o casal analisem de forma consciente se a laqueadura é a melhor opção.

Indicações da reversão

O prognóstico da reversão de laqueadura depende de alguns fatores. Antes da indicação, é importante avaliar a paciente e o parceiro. Dependendo das condições da mulher e do homem, será mais indicada a reprodução assistida.

As condições mais importantes para a indicação são:

De outra forma, o procedimento não terá sucesso, sendo mais indicada a reprodução assistida.

Além dessas condições obrigatórias para a indicação, deve ser feita uma avaliação de fertilidade do casal para dimensionar a possibilidade de gravidez após a reversão. Alguns fatores também reduzem de tal modo as chances de concepção que inviabilizam a indicação.

É importante avaliar os seguintes fatores femininos:

A idade da mulher é fator preponderante na fertilidade. Acima dos 35 anos, a reserva ovariana diminui e os óvulos perdem qualidade, dificultando a fecundação. Se a mulher tiver mais que 35 anos ou baixa reserva ovariana (número reduzido de folículos antrais), a reversão geralmente não é indicada.

O tempo decorrido e o método utilizado também interferem diretamente no prognóstico, portanto deve ser feita a avaliação prévia.

E os fatores masculinos:

O exame para investigar a fertilidade masculina é o espermograma.

Assim, a reanastomose tubária é preferível à fertilização in vitro para mulheres jovens laqueadas sem outros fatores de infertilidade, uma vez que provê maiores taxas cumulativas de gravidez. A cirurgia também é indicada para mulheres com fator tubário que, por qualquer razão, não podem ser submetidas a técnicas de reprodução assistida.

O procedimento cirúrgico

O procedimento de recanalização é chamado reanastomose tubária, realizado por laparotomia ou laparoscopia (mais indicada). O procedimento consiste na retirada da região afetada das tubas uterinas (há a formação de cicatriz no local) para melhorar a irrigação sanguínea da região e religação das partes saudáveis com microssuturas, restabelecendo a função, permitindo a passagem dos espermatozoides e dos óvulos para a fecundação.

A laparotomia é o método cirúrgico tradicional e pode ser feito por microcirurgia. A mulher passa pela preparação e recebe anestesia geral. O cirurgião faz uma incisão no abdômen para acessar as tubas uterinas e realizar o procedimento.

A laparoscopia é uma técnica mais avançada, minimamente invasiva, em que o cirurgião faz pequenas incisões na região abdominal da mulher por onde introduz o laparoscópio e outros instrumentos para a realização do procedimento. A cirurgia é realizada por vídeo. As imagens reproduzidas pelo laparoscópio guiam o cirurgião durante o procedimento.

A cirurgia tem duração aproximada de 2 a 3 horas, dependendo das condições das tubas uterinas. O tempo de internação depende da recuperação da paciente, mas geralmente é de 1 a 2 dias. O pós-operatório requer abstinência sexual por um mês e repouso. A paciente deve evitar atividades físicas.

Sucesso da reversão

O sucesso da reversão de laqueadura é alto quando realizado em pacientes com bons parâmetros de fertilidade, apresentando um custo-benefício superior à reprodução assistida para mulheres com idade inferior a 41 anos. Entretanto, as indicações devem ser individualizadas.

A taxa de nascidos vivos pós-cirurgia varia entre 40% e 80%, e a permeabilidade tubária chega a quase 90% e é avaliada por histerossalpingografia. O índice de gravidez é maior após 6 meses a 1 ano da cirurgia.

Riscos

Na reversão de laqueadura, a morfologia das tubas uterinas sofre certa descaracterização, em virtude da necessidade de retirada da parte afetada pela laqueadura original e reanastomose das partes saudáveis.

Essa alteração morfológica provoca um risco aumentado de gestação ectópica, gravidez que ocorre fora do útero, principalmente nas tubas uterinas.

Compartilhar

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Pólipos endometriais: conheça os sintomas
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui