Menu
O que é adenomiose?

O que é adenomiose?

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

A adenomiose é considerada parente da endometriose. Hoje em dia é uma doença muito estudada, devido à sua complexidade e as consequências importantes por ela geradas. Muitas vezes confundida com a endometriose, pode causar cólicas menstruais intensas, aumento do fluxo menstrual e infertilidade.

Tal afecção ocorre na transição entre duas das camadas que compõem o útero, sendo elas o endométrio e o miométrio, acometendo essa última.

O endométrio é a camada mais interna do útero, tecido no qual o embrião se implanta, dando início à gravidez. Já o miométrio é a camada intermediária, camada muscular responsável pelas contrações uterinas na hora do parto e durante as diferentes fases do ciclo menstrual.

O útero é um dos órgãos fundamentais do sistema reprodutor feminino, e seu correto funcionamento é essencial para a fertilidade da mulher.

A adenomiose é uma doença de difícil diagnóstico, uma vez que o diagnóstico definitivo ainda é cirúrgico e, por isso, é importante entender o que é e como ela se desenvolve.

Adenomiose

A adenomiose é uma doença benigna que tem incidência estimada entre 20% e 30% da população feminina. Essa doença ocorre na camada intermediária do útero, que recebe o nome de miométrio.

O miométrio é a camada muscular responsável pelas contrações uterinas que ocorrem durante o trabalho de parto, facilitando a saída da criança do útero, e pelas contrações decorrentes da menstruação, que têm a finalidade de fazer com que o tecido endometrial seja eliminado em forma de sangue.

Entretanto, há vezes em que fragmentos do tecido endometrial podem se encontrar na intimidade dessa camada, podendo ocasionar um processo inflamatório e sangramentos cíclicos dentro dessa camada muscular.

Esses fragmentos do tecido endometrial podem se deslocar para uma pequena parte do miométrio ou se dispersar por toda essa camada muscular. Dessa forma, a adenomiose é classificada de acordo com a porção afetada do miométrio como focal ou difusa.

As causas desse problema não estão ainda totalmente esclarecidas. Pode-se ligá-la a traumas resultantes das cirurgias ginecológicas, mas não explica a totalidade de suas manifestações.

A presença indevida do tecido endometrial no miométrio, camada intermediária do útero, também está relacionada a cólicas menstruais e à hemorragia uterina anormal.

Sintomas da adenomiose

Dentre os sintomas mais comuns da adenomiose podemos destacar o sangramento menstrual excessivo, cólicas menstruais (dismenorreia) intensas, causadas pelas contrações intensas do miométrio, e infertilidade.

Esses sintomas ocorrem porque o tecido endometrial tem seu funcionamento relacionado ao ciclo menstrual, de forma que a ação dos hormônios faz com que sua morfologia varie de acordo com a fase do ciclo menstrual em que a mulher se encontra.

Dessa forma, a adenomiose é uma doença que também está conectada com a idade fértil da mulher, sob influência dos hormônios sexuais.

Outros sintomas que podem ser listados são dores pélvicas crônicas e anemia.

Exames para o diagnóstico de adenomiose

O diagnóstico da adenomiose pode ser feito por meio da ultrassonografia especializada ou da ressonância magnética. Esses exames permitem que seja realizada uma análise detalhada da parede uterina, suspeitando da presença do tecido endometrial no miométrio.

Para que tais exames sejam solicitados, é necessário realizar uma avaliação ginecológica da paciente. Essa avaliação é importante para que o médico possa, em conjunto com o relato dos sintomas apresentados pela paciente, pensar no diagnóstico.

Tratamento da adenomiose

O controle ou tratamento da adenomiose depende dos sintomas apresentados. Quando as principais queixas são dismenorreia e sangramento menstrual intenso, medicações anti-inflamatórias ou hormonais, tais como pílulas anticoncepcionais, adesivos, anel vaginal, implantes hormonais ou DIU com levonorgestrel, podem ser uma opção.

Em situações não responsivas a este controle medicamentoso e em mulheres com prole constituída, pode ser realizada a histerectomia, que consiste na retirada do útero.

Entretanto, costuma-se optar por essa abordagem somente em casos mais severos, nos quais os demais tratamentos não foram suficientes.

Mulheres cuja adenomiose leve à infertilidade e que tenham o desejo de engravidar podem realizar avaliação médica a fim de verificar as causas da infertilidade e, então, podem ser recomendadas técnicas de reprodução assistida.

A adenomiose é caracterizada pela presença do tecido endometrial no miométrio, camada intermediária, muscular do útero. A escolha do tratamento adequado depende da análise da gravidade da doença, bem como de seus sintomas. Veja mais informações sobre a adenomiose.

 

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Cardiotocografia: o que é e como é realizada
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui