Menu
O que é menopausa?

O que é menopausa?

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

Assim que nasce, a menina já conta, em seus ovários, com todos os folículos ovarianos que terá ao longo da vida. É dentro desses folículos, pequenas bolsas repletas de líquido, que se desenvolverão os óvulos, gametas femininos essenciais para a reprodução humana.

Na puberdade, com o início dos ciclos menstruais, começa também a vida fértil da mulher. Com o passar do tempo, a cada ciclo, um óvulo é liberado e assim a chamada reserva ovariana (quantidade de folículos presente nos ovários) vai, pouco a pouco, diminuindo.

Por volta dos 50 anos de vida, a reserva ovariana acaba e a mulher para de menstruar definitivamente. Esse fenômeno é chamado de menopausa. Ela marca o fim da vida fértil e traz uma série de mudanças que afetam a saúde e a qualidade de vida da mulher, como as chamadas ondas de calor, as variações de humor, o ressecamento vaginal, entre outros sintomas.

Neste texto, vou falar sobre a menopausa, as características desse período da vida e o que pode ser feito para minimizar os seus efeitos negativos.

O que é a menopausa

A menopausa é definida como a última menstruação da mulher. Seu diagnóstico é retroativo, pois é preciso haver pelo menos um ano sem ciclo menstrual para a sua confirmação. Os efeitos da redução das taxas hormonais, porém, podem começar anos antes da última menstruação e, nesse período, os ciclos costumam ficar irregulares.

Para compreender por que a menopausa causa tantas mudanças no organismo da mulher, é preciso primeiro entender o papel dos ovários. Eles não têm somente a função de abrigar os óvulos que vão se desenvolver e amadurecer para serem fecundados por um espermatozoide e, assim, gerar um embrião. Também são responsáveis pela produção dos principais hormônios sexuais femininos, os estrogênios e a progesterona.

Com a diminuição natural da reserva ovariana, por volta dos 50 anos de idade, a taxa de hormônios no corpo da mulher cai, acarretando uma série de mudanças fisiológicas que podem afetar a qualidade de vida. Os principais efeitos dessa fase são:

  • Ondas de calor: também chamadas de fogachos, as ondas de calor são o sintoma mais característico da menopausa, sendo que cerca de 75% das mulheres nessa fase têm essa queixa. Elas consistem em uma sensação de calor repentina, muitas vezes seguida de frio. Os fogachos podem ser também acompanhados de suor, aumento da frequência cardíaca e enrubescimento da pele;
  • Insônia e dificuldade para dormir: muitas vezes esses sintomas são causados pelos fogachos, que acontecem frequentemente à noite, podendo afetar a qualidade do sono;
  • Ressecamento vaginal: é outro sintoma bastante comum do baixo nível de hormônios femininos. O ressecamento vaginal frequentemente pode causar dores ou desconforto durante as relações, o que pode interferir na vida sexual da paciente, assim como predispor a outras infecções genitais;
  • Sintomas emocionais, como variações de humor, ansiedade e depressão;
  • Osteopenia e osteoporose: as baixas taxas hormonais da menopausa também podem causar perda de cálcio dos ossos, facilitando o desenvolvimento da osteoporose. Nessa doença, os ossos ficam mais frágeis, aumentando o risco de fraturas;
  • Problemas de memória e de concentração;
  • Incontinência e infecções urinárias, bem como outros problemas ligados ao trato urogenital;
  • Mudança na distribuição da gordura corporal, o que causa modificações na silhueta da mulher.

A menopausa pode ser um período difícil para a mulher, devido a todos esses sintomas. É importante ressaltar, porém, que a intensidade dos sintomas e sinais dessa fase não é influenciada somente pela queda nas taxas hormonais, mas também dependem do ambiente sociocultural e do estado psicológico da mulher, que inclui questões familiares, conjugais e profissionais.

Entretanto, quando bem orientada, deve compreender se tratar de uma fase fisiológica da vida e que pode ser vivida com bastante qualidade

Terapia hormonal na menopausa

Embora a menopausa seja um processo inevitável, seus efeitos podem ser reduzidos com a administração de estrogênios e progesterona, em um tratamento chamado de terapia hormonal, quando necessário. Os hormônios são utilizados em doses baixas e na forma de comprimidos, adesivos, gel ou creme vaginal. O estrogênio via vaginal também pode ser administrado caso a paciente tenha ressecamento vaginal e dores ou desconforto durante as relações sexuais. A terapia hormonal costuma levar entre 2 e 5 anos.

Entre os benefícios do tratamento estão:

  • Melhora da qualidade do sono;
  • Redução dos fogachos;
  • Aumento da lubrificação vaginal – e consequente melhora da vida sexual;
  • Melhora da densidade óssea, diminuindo o risco de fratura por osteoporose;
  • Diminuição dos sintomas urogenitais, como infecções urinárias e incontinência.

Para que os resultados sejam satisfatórios, é importante que a terapia hormonal seja acompanhada de mudanças de hábito de vida, como parar de fumar e adotar uma dieta saudável, além de praticar atividades físicas regularmente.

Existem, no entanto, algumas contraindicações para a terapia hormonal, como mulheres com trombofilia, história de tromboembolismo, doenças hepáticas graves, tumores de mama ou endométrio.

Neste artigo procuramos mostrar as principais características da menopausa e como os sintomas dessa fase podem ser reduzidos. É importante ressaltar que a menopausa é um processo natural e inevitável, mas que o acompanhamento e o tratamento adequados, aliados a um estilo de vida saudável, podem ajudar a melhorar a qualidade de vida da mulher nesse período.

Ficou com alguma dúvida? Então deixe a sua pergunta nos comentários. Teremos prazer em responder!

 

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Cardiotocografia: o que é e como é realizada
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui