Menu
Pré-natal: quando é possível descobrir o sexo do bebê?

Pré-natal: quando é possível descobrir o sexo do bebê?

por Dr. Luíz Flávio Cordeiro

Nenhuma gravidez é igual à outra. Essa frase, muito conhecida pelas mães, poderia resumir a importância do pré-natal. Composto por uma série de consultas e exames, ele é o acompanhamento da mulher e do bebê durante toda a gestação.

O pré-natal detecta má formações do feto e doenças ou condições que podem colocar a saúde da mãe em risco, como pré-eclâmpsia, diabetes e hipertensão. Além disso, ele também é um momento de apoio para tirar as dúvidas da mulher e ajudá-la a se preparar para a maternidade.

Essa fase gera muita ansiedade e expectativa para o casal e para toda a família, em especial, para descobrir o sexo do bebê. Atualmente, uma ultrassonografia realizada durante o segundo trimestre da gravidez é o exame mais conhecido para confirmar se o casal terá um menino ou uma menina.

Porém, é possível saber antes dessa fase. O exame de sangue de sexagem fetal também é uma alternativa para os pais que desejam ter uma resposta mais cedo.

Continue a leitura para descobrir quando podemos confirmar o sexo do bebê durante a gestação e como são feitos esses exames.

Como é feito o pré-natal?

 

É recomendado que a gestante faça, pelo menos, 6 consultas ao obstetra ao longo da gestação. E esses compromissos com o pré-natal aumentam conforme o avanço da gravidez. O indicado é que aconteça 1 consulta mensal durante o primeiro trimestre, 2 durante o segundo trimestre e 3 no último trimestre.

Entre os exames solicitados estão: ultrassonografias, papanicolaou, hemograma completo, glicose, urina, fezes, entre outros. De acordo com o histórico da gestante, o médico também pode solicitar exames complementares.

Quando é possível descobrir o sexo do bebê?

Todas as informações genéticas do embrião estão nos cromossomos. Entre essas estruturas de DNA, estão os cromossomos sexuais que determinam o gênero do bebê. Os óvulos sempre carregam o cromossomo X e os espermatozoides, X ou Y. Se o embrião fecundado for XX, o bebê será, geneticamente, uma menina e se for XY, será um menino. Parte deste DNA fetal circula no sangue materno em concentrações crescentes de acordo com a evolução da gestação.

Com o passar das semanas, ocorrem mudanças significativas no desenvolvimento do bebê. Ao final do primeiro trimestre, por volta da 8ª e 9ª semana, quando a maior parte dos órgãos vitais já estão funcionando, os órgãos sexuais começam a se formar. Por volta da 22ª semana, eles estão completamente formados externamente.

Dessa forma, com esse preâmbulo, é possível identificar o sexo do bebê analisando o seu material genético ou por ultrassonografia obstétrica, em diferentes momentos da gravidez.

Como esses exames são realizados?

Durante o segundo trimestre de gravidez é possível ver o sexo do bebê por meio de ultrassonografia. Porém, se os pais quiserem ter essa informação mais cedo, existe o exame de sangue de sexagem fetal. Saiba como esses exames são realizados e as suas indicações, a seguir.

Exame de sangue de sexagem fetal

O exame de sangue de sexagem fetal é uma técnica não invasiva e que não coloca a gestação em risco. Ele pode ser realizado a partir da 8ª semana de gestação e não é necessário que a mulher fique em jejum para realizá-lo.

Desde o início da gravidez, o material genético do feto circula no sangue materno, por isso, o exame consiste na coleta de uma amostra de sangue da mãe, da mesma forma como é realizado um exame de rotina.

Os cromossomos sexuais XX são responsáveis por características femininas e os cromossomos XY, masculinas. Logo, se for detectada a presença de um cromossomo Y, significa que o bebê é um menino, enquanto a sua ausência indica, por exclusão, que o bebê é uma menina.

O resultado do exame demora, em média, entre 5 a 10 dias, de acordo com os prazos do laboratório. Ele tem alta precisão, atingindo uma sensibilidade de 98,5% e uma especificidade de 100%. O exame de sangue de sexagem fetal não é essencial para o pré-natal, por isso, ele é realizado apenas de forma particular.

Ultrassonografia

Ao longo do pré-natal, a gestante faz 4 ultrassonografias. Elas são realizadas para avaliar se o desenvolvimento dos órgãos do bebê está de acordo as expectativas. Entre a 21ª e a 23ª semana é realizada a ultrassonografia morfológica do segundo trimestre.

De modo geral, durante o exame são analisados os órgãos do bebê e as condições da placenta, como:

  • o desenvolvimento cerebral, coração, estômago, coluna e membros inferiores e superiores;
  • a estimativa do tamanho e do peso do bebê;
  • o posicionamento da placenta;
  • a quantidade de líquido amniótico e;
  • a confirmação do sexo do bebê.

O exame é simples, indolor e não coloca a mulher e nem o bebê em risco. O médico coloca um gel transparente na barriga e na região pélvica da gestante antes de deslizar uma sonda no local. As ondas sonoras transmitidas pela sonda se transformam em imagens na máquina de ultrassom. A partir do 2º trimestre, já se pode identificar o sexo fetal com alta chance de acerto.

Muitos casais querem saber o sexo do bebê antes do nascimento para diminuir a ansiedade, pensar em opções de nomes, montar o enxoval, entre outros motivos. Para isso, a ultrassonografia e o exame de sangue de sexagem fetal são as opções mais confiáveis.

O pré-natal é essencial para uma gestação tranquila e com menos riscos para a mãe e para o bebê. Para saber mais, leia o nosso texto especial sobre o tema!

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Acesse o nosso último post Cardiotocografia: o que é e como é realizada
Pré-agende sua consulta agora! Clique aqui